Estudo brasileiro confirma que azitromicina não tem eficácia contra casos grave de COVID-19

Em um estudo brasileiro, publicado dia 4 de setembro na revista científica The Lancet, foi apontado que combinar azitromicina ao tratamento padrão contra COVID-19 não demonstrou ajudar na melhora da recuperação e da sobrevida dos pacientes. 

Todos os pacientes participantes do estudo apresentavam-se em estado grave, isto é, necessitavam de suporte avançado para respirar. Assim, foram separados os pacientes em dois grupos: um grupo teste e outro controle. Ambos os grupos receberam hidroxicloroquina, que, à época do ensaio clínico, figurava como tratamento padrão para casos graves. O grupo teste recebeu, também, azitromicina. Ao final do acompanhamento, não houve diferença estatisticamente relevante no resultado final entre os grupos, sugerindo, portanto, uma ineficácia ao uso de azitromicina.

Clique no link abaixo e leia o estudo na íntegra:

Azithromycin in addition to standard of care versus standard of care alone in the treatment of patients admitted to the hospital with severe COVID-19 in Brazil (COALITION II): a randomised clinical trial


Texto produzido por: Paulo Henrique Moreira Melo, graduando em Medicina, Faculdade de Medicina da UFMG

Revisão: Profa. Marina Guimarães Lima e Profa. Maria das Graças Braga Ceccato

Edição e postagem: Mariana Dias Lula 

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Scroll to Top